quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Gobekli Tepe

De vez em vez, as descobertas acidentais e a arqueologia desenterram problemas!
Um dos mais recentes é Gobekli Tepe... um achado recente na cadeia montanhosa de Tauro, no sudeste da Turquia, que vem sendo datado para 10 mil anos a.C. Ou seja, falamos do mais antigo complexo arqueológico, numa altura de nomadismo, onde nem sequer as mais antigas cidades conhecidas existiriam.
As estruturas em T são notáveis, com representações compreensíveis, e notáveis esculturas de animais:
_
Para além de todo o natural destaque ao complexo arqueológico é ainda notável a representação do javali (figura em baixo à esquerda), enquanto figura de culto.
_
Pela semelhança, seria tempo de rever a origem da monumental escultura, com mais de 1 metro de altura e quase 2 metros de comprimento, a denominada Porca de Murça
Seria preciso um olhar diferente, que deveria ser mais do que um ícone para marcas vinícolas... marcas essas que acabam por ser os maiores divulgadores da sua existência!

As sucessivas descobertas em Gobekli Tepe já mereceram algum interesse, ainda que tímido, dos media internacionais, conforme uma reportagens da ZDF, ou da BBC (inserida no vídeo seguinte):

É claro que estes novos factos, ainda que já conhecidos há mais de 10 anos, têm sempre um circuito difícil na divulgação do conhecimento... é difícil refazer uma história tão bem composta, com primeiras cidades em Jericó, Çatal Huyuk ou Mohenjo Daro. Especialmente porque o nível de escultura, mostra que não seria uma cidade isolada, e estaria muito longe de ser a primeira... o nível de concepção sugere a existência de cidades  menos sofisticadas, em fases anteriores.

Esta descoberta faz parecer outras descobertas, anunciadas ontem, nas montanhas do Cáucaso, no sul da Rússia:
.

como descobertas pouco significativas, ao serem datadas "apenas" 1600 anos a.C.
O mais significativo nas descobertas no Cáucaso russo, é o facto de resultarem de fotos aéreas tiradas na Rússia em 1970... tendo sido necessários uns longos 40 anos para uma confirmação in situ.

3 comentários:

  1. Olá,

    Esses 12 mil anos do Gobekli Tepe são datações muito duvidosas, e são alemães, porque se fossem arqueólogos franceses o sítio não seria mais antigo que as pirâmides, o método são geralmente analises feitas aos carbonos das fogueiras que deixaram os trogloditas junto a locais antigos e mais evoluídos tecnicamente que certamente não foram eles que construíram... neste vê-se os muros de pedra tosca que fizeram entre as colunas...
    Gostei de ler o seu artigo mas já conhecia estas colunas do "Jardim de Éden" de Gobekli Tepe.
    Se pensa que eram "cidades oásis" é por falta de cruzamentos de dados das outras disciplinas, nesta zona da Anatólia a analise dos solos cultivados deu para chifrar o número de habitantes da zona, e é enorme, é um dado novo a juntar à arqueologia ciência muito hermética para não lhes chamar de "estúpidos".

    Diz o Alvor Silves: " De vez em vez, as descobertas acidentais e a arqueologia desenterram problemas!"
    O grande problema para o Establishment nesta Anatólia são os restos de tecidos pré-históricos encontrados, suas datas e técnicas de multi-fios foram estudados, a técnica complicada para mim só podia ser mecânica industrial idêntica à nossa actual, o estudo foi completamente dissociado de tudo o resto e é pouco conhecido, mas ao menos não o negam, foi encontrado noutra cidade muito sofisticada, Çatalhöyük, onde as pessoas viviam em apartamentos tipo cave, cada família tinha sala de estar quarto e local para as sujidades separado:
    http://www.brynmawr.edu/Acads/Cities/wld/00095/00095a.jpg
    http://en.wikipedia.org/wiki/%C3%87atalh%C3%B6y%C3%BCk
    Se quiser ver a oficialmente mais antiga cidade da humanidade é a Caral, no Peru, que me lembra o Vaticano, também foi datada pelo carbono de uma rede de cordas...e comiam muito peixe e bivalves apesar de estarem longe do mar:
    http://1.bp.blogspot.com/_H3hPB3_DZTE/TLZUlu2mNGI/AAAAAAAAAeo/EmSf4R8GI-A/s1600/Caral.bmp

    E em Portugal há mais Centum Cellas enterrados, quase que apostava que na Foz do Lizandro, quem for lá com detector de metal ou scanner de solo pode encontrar algo, era a praia dos meus fins-de-semana há 40 anos, navegava-se lá, e noutros tempos ia-se por lá até ao Mar da Palha em Lisboa:
    http://4.bp.blogspot.com/_H3hPB3_DZTE/TLZVTBcHiBI/AAAAAAAAAew/D69vEWSPIY0/s1600/Foz+do+Lizandro+photos+3.JPG

    Cumprimentos,
    José Manuel CH-GE

    ResponderEliminar
  2. Olá,

    Esses 12 mil anos do Gobekli Tepe são datações muito duvidosas, e são alemães, porque se fossem arqueólogos franceses o sítio não seria mais antigo que as pirâmides, o método são geralmente analises feitas aos carbonos das fogueiras que deixaram os trogloditas junto a locais antigos e mais evoluídos tecnicamente que certamente não foram eles que construíram... neste vê-se os muros de pedra tosca que fizeram entre as colunas...
    Gostei de ler o seu artigo mas já conhecia estas colunas do "Jardim de Éden" de Gobekli Tepe.
    Se pensa que eram "cidades oásis" é por falta de cruzamentos de dados das outras disciplinas, nesta zona da Anatólia a analise dos solos cultivados deu para chifrar o número de habitantes da zona, e é enorme, é um dado novo a juntar à arqueologia ciência muito hermética para não lhes chamar de "estúpidos".

    Diz o Alvor Silves: " De vez em vez, as descobertas acidentais e a arqueologia desenterram problemas!"
    O grade problema para o Establishment nesta Anatólia são os restos de tecidos pré-históricos encontrados, suas datas e técnicas de multi-fios foram estudados, a técnica complicada para mim só podia ser mecânica industrial idêntica à nossa actual, o estudo foi completamente dissociado de tudo o resto e é pouco conhecido, mas ao menos não o negam, foi encontrado noutra cidade muito sofisticada, Çatalhöyük, onde as pessoas viviam em apartamentos tipo cave, cada família tinha sala de estar quarto e local para as sujidades separado:
    http://www.brynmawr.edu/Acads/Cities/wld/00095/00095a.jpg
    http://en.wikipedia.org/wiki/%C3%87atalh%C3%B6y%C3%BCk
    Se quiser ver a oficialmente mais antiga cidade da humanidade é a Caral, no Peru, que me lembra o Vaticano, também foi datada pelo carbono de uma rede de cordas...e comiam muito peixe e bivalves apesar de estarem longe do mar:
    http://1.bp.blogspot.com/_H3hPB3_DZTE/TLZUlu2mNGI/AAAAAAAAAeo/EmSf4R8GI-A/s1600/Caral.bmp

    Cumprimentos,
    José Manuel CH-GE

    ResponderEliminar
  3. Caro José Manuel,
    pois, eu falei em Çatal Huyuk, que há-de ser Çatalhöyük na escrita turca, mas esta está datada como bem mais antiga.
    Tem razão, as datações diferem ainda muito, e o consenso que se obtém é muitas vezes uma conveniência académica, adaptada à sociedade.
    Quanto a Caral, é comparativamente mais recente. De acordo com
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Caral
    a datação é do terceiro milénio a.C., sendo a mais antiga da América, e impressiona por ser um documento contemporâneo das outras pirâmides egípcias.

    Quanto à Foz do Lizandro, julgo que se refere em geral a toda a costa adjacente à Serra de Sintra, antiga Serra da Lua... pois aí é muito natural que tivessem havido importantes registos que foram destruídos.
    Não será à toa que um dos principais historiadores portugueses, o Conde da Ericeira, tinha uma afeição por essas paragens. Aliás tal como o Visconde de Sacavém, que estabeleceu residências na Foz do Arelho, praia adjacente a Óbidos e às Caldas.
    Não funcionaram os seus últimos links... mas nunca tinha ouvido falar dessa ligação ao Mar da Palha.

    ResponderEliminar